Konjiki no Word Master

Konjiki No Word Master 65: Para a Mansão


Nota:Quando eu digo Peito eu quero dizer da parte do Tórax e não os seios.


 

 

Com a ajuda e informação fornecidas por Silva, Hiiro atravessou um terreno rochoso, derrotou vários monstros, e saiu da [Montanha Venom] sem nenhuma grande casualidade.

 

Silva:”Ainda sim, estou impressionado com o quão forte você é! Nofofofofofo”

Hiiro:”É mesmo é? Eu estou surpreso como um velhote como você consegue lutar. Mas…”

 

Isso era verdade. Silva conhecia muito sobre os monstros que eles encontraram e não perdeu nem um simples segundo ou movimento enquanto lidava com eles. Ele também conseguia atacar precisamente os pontos vitais de seus oponentes. Suas ações e habilidades eram as de um aventureiro veterano.

 

Hiiro sabia que os Evila possuíam uma grande habilidade de combate. Se até as pessoas normais como Silva são fortes assim, é difícil imaginar o quão poderosos os Evilas são.

 

Silva não era um aventureiro. Ele foi forçado a tornar-se independente prematuramente, foi contratado para trabalhar em uma residencia por uma circunstância desconhecida. Desde então, ele trabalhava como um mordomo.

 

Hiiro concluiu então que Silva adquiriu suas habilidades de combate e conhecimento para proteger sua mestra. Hiiro conseguiu essa informação não porque perguntou, mas sim porque Silva continuava falando sobre si mesmo depois de propor que eles deveriam conduzir uma comunicação.

 

Hiiro:”Nós vamos atravessar a montanha em breve. Há alguma vila depois dela?”

Silva:”Uma vila…. hmm, se você está procurando um assentamento, existe um bem além dessa montanha.”

Hiiro:”Longe quanto?”

Silva:”Muito, muito longe.”

Hiiro”…”

 

Parecia que havia um longo caminho a percorrer.

 

Silva:”Se estiver bem para você, eu gostaria de voltar para a mansão e usar minhas habilidades para lhe oferecer um jantar com a [Rosa de Ouro].”

Hiiro:”Jantar?”

 

Os ouvidos de Hiiro tremeram.

 

Silva:”Claro. Ainda que eu pareça assim, eu tenho confiança nas minhas habilidades em culinária.”

Hiiro:”Sério?”

Silva:”Claro, tem uma [Fruta Puryun] também.”

Mikazuki:”Kui kui kui kui kui!”

 

Ao ouvir o nome de sua comida favorita, Mikazuki ficou elétrico.

 

Hiiro:”Tem certeza que podemos? Você não precisa da permissão de sua mestra?”

Silva:”Isso é verdade, no entanto, eu acredito que não há nada com o que se preocupar.”

Hiiro:”De onde vem essa sua confiança sem fundamento?”

Silva:”Na minha opinião, minha mestra é alguém que nunca aceita nem recusa uma pessoa. Bem, se for uma pessoa que ela acabe gostando, ela vai tentar obter essa pessoa a qualquer custo.”

Hiiro:”Que mestra peculiar…”

 

Hiiro pensou que a descrição era exatamente igual a um sequestro.

 

Silva:”A mestra é tão fofa. Ahh, quanto tento faz… como eu quero olhar na face adorável da Ojou-sama o mais breve possível… e então ser ordenado.”

 

(Ahh… Eu quase esqueci, esse cara é um grande pervertido… e também um M…)[1]M = Masoquista, S = Sadoquista

 

Olhando o senhor, que tinha suas bochechas avermelhadas de êxtase, olhando para cima como se estivesse em transe, Hiiro rapidamente se distanciou dele. De alguma forma ele sentiu que o senhor era perigoso, Mikazuki fez a mesma coisa.

 

Entretanto, era inegável que Hiiro achou a oferta de Silva interessante. Mesmo havendo sim uma cidade além da montanha, era uma distância considerável. Ele concluiu que seguir o velhote seria uma boa oportunidade para descansar e obter algumas informações.

 

Então, Hiiro decidiu ir para a casa de Silva, e continuar sua jornada de lá.

 


 

[???]:”Oooooooooojouu-saaaaaamaaaaaaaa!”

 

Uma garota trajando um uniforme de maid rapidamente se dirigia ao quarto, com suor correndo em sua testa. Seus twin tails[2]N sei como chama em portugues, me lembro de ter ouvido maria chiquinha que eram coloridos levemente de pêssego, flutuavam para trás enquanto ela corria. Ela parou em frente a uma porta, pausando para conseguir controlar sua respiração antes de abrir a porta. Entretanto-

 

*Pote*[3]Som de tropeço

 

Mesmo não havendo nenhum obstáculo por perto, a garota de alguma forma tropeçou sobre o próprio pé, caindo de face enquanto abria a porta.

 

Seus olhos se encheram de água enquanto ela acariciava seu nariz.

 

Maid:”Fufue~, isso dói~”

 

A garota tinha uma aparência pálida em suas bochechas e algo que lembrava uma jóia vermelha estava no meio de sua testa. Ela possuía em sua face características charmosas, principalmente seus olhos, que eram largos e redondos, lembrando o formato de nozes. Sua pele era saturada com um pigmento marrom.

 

A garota tinha 16 anos, ainda sim, isso não era aparente tanto em aparência quanto em comportamento, ela parecia ter um complexo com isso. Entretanto, sua característica chave era inegavelmente seu peito. Seus seios amplos balançavam com cada movimento.

 

Mesmo que suas proporções e estilo eram bons, sua face e estatura eram relativamente pequenos. E como era constantemente zombada por isso por ninguém menos que sua mestra, seu tamanho era um de seus problemas recentes.

 

Assim que a garota entrou na sala iluminada a velas, haviam caveiras, espadas, máscaras e vários aparatos solenes espalhados. O quarto dava a impressão que alguém ali estava praticando magia negra.

 

No centro do quarto, havia um círculo mágico enorme. No topo do tal círculo estava uma cama velada por uma cortina escura.

 

Mestra:”Você é tão barulhenta, Shamoe”

 

A voz vinha da cama. A silhueta de uma pessoa podia ser vista através do véu. A pessoa não fez qualquer movimento. A empregada, chamada de Shamoe, ficou ereta em atenção e disse com uma voz tensa.

 

Shamoe:”M-Me desculpe! E-Eu cai novamente.”

Mestra:”Deixando isto de lado, aconteceu algo?”

 

Ao ouvir as palavras de Shamoe, a pessoa deixou escapar um suspiro. Aparentemente a pessoa que estava dormindo, parecia estar de mau humor.

 

Shamoe:”O-Ok, u-um-um-um-um!”

Mestra:”Acalme-se.”

Shamoe:”S-Sim. Ha~fu, Ha~fu~”

 

Enquanto Shamoe respirou profundamente várias vezes para se acalmar, seu peito levemente movia-se para cima e para baixo. Seguindo dessa forma, ela trouxe ambas as mãos ao seu peito.

 

Shamoe:”É-É que, e-ele c-chegou.”

 

Ela disse com uma voz exitada e olhos brilhantes.

 

Mestra:”…ele chegou?”

Shamoe:”Sim, Silva-sama voltou.”

Mestra:”….droga, ele não morre, maldito pervertido.”

Shamoe:”A senhora disse algo?”

Mestra:”Não, não é nada, ele está dentro da casa?”

Shamoe:”Eh, ah, sim! Mas…”

Mestra:”Hn? Mas…?”

 

A pausa repentina na voz de Shamoe fez ela se preocupar.

 

Shamoe:”U-um, é que, ele trouxe alguém com ele”

Mestra:”Trouxe Alguém?”

Shamoe:”S-sim, seu salvador que cruzou a [Montanha Venom] com ele, parece que ele é da [Raça Imp]”

Mestra:”Sério?”

Shamoe:”P-primeiro devemos oferecer aperitivos para o convidado. T-tem algo de errado?”

 

Shamoe entendeu que sua mestre podia estar de mau humor devido a interrupção abrupta de seu sono, ela pensou que ela podia ter executado algo ofensivo e ficou preocupada.

 

Mestra:”…primeiro, comece a preparar comida para Silva e o convidado”

Shamoe:”E-então?”

Mestra:”Aa, eu estava ficando entediada. Esta pode ser uma boa oportunidade de passar o tempo. Eu quero falar com nosso convidado enquanto comemos. Kukuku”

Shamoe:”E-entendido!”

 

Shamoe abaixou sua cabeça antes de deixar o quarto. Na sua saída, um *puni* pode ser ouvido. Shamoe caiu novamente. A pessoa que permaneceu no quarto estava pensando cuidadosamente sobre o convidado, então ela não ligou.

 

Mestra:”kukuku, aquele idiota trouxe uma pessoa com ele… Eu me perguto que tipo de pessoa ele é…”

 

Com a escuridão do quarto, somente os olhos da pessoa com suspeitas brilhava.

 

Nota do Autor: O que você acha do novo personagem lololol

 

 

Se você encontrou um erro de ortografia, ou quer oferecer uma sugestão, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.

Notas do Tradutor   [ + ]

1. M = Masoquista, S = Sadoquista
2. N sei como chama em portugues, me lembro de ter ouvido maria chiquinha
3. Som de tropeço

View Comments

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: